Apresentação2019-04-20T23:02:50+00:00

APRESENTAÇÃO

Nunca foi elaborada uma história do jornalismo em Portugal. Esta primeira conferência internacional dedicada a este tema pretende contribuir para a construção dessa história. Organizada no âmbito do projeto “Para uma história do jornalismo em Portugal” (PTDC/COM-JOR/28144/2017), a conferência partilha os seus objetivos, a saber:

  1. Construir, diacronicamente, uma história cronológica e narrativa do jornalismo português que leve em conta, sincrónica e contextualmente, condicionalismos normativos, políticos, económicos e culturais e de modelo de negócio;
  2. Realçar exemplos que documentem a evolução das práticas jornalísticas e do discurso jornalístico em Portugal, inferindo, a partir dos exemplos discursivos e da praxis jornalística, qual foi a influência do jornalismo na sociedade portuguesa, em especial na esfera pública;
  3. Produzir uma história dos jornalistas em Portugal que apure as mudanças ocorridas no conceito de “jornalista“ e nas competências exigidas aos jornalistas e que apure, igualmente, os reflexos que essas mudanças tiveram no jornalismo, no recrutamento de jornalistas e na influência, posição e papel social do jornalismo e dos jornalistas;
  4. Periodizar a evolução do jornalismo português comparando-a com a evolução do jornalismo noutros países ocidentais, tendo em conta o contexto legal, político, económico e cultural.

EIXOS TEMÁTICOS

A conferência tem vários eixos temáticos, nos quais as propostas de comunicação e textos completos para o livro de atas se devem inserir. As propostas de comunicação devem, obrigatoriamente, indicar qual o eixo temático em que se inserem.

  1. História dos jornalistas em Portugal
  2. História da imprensa em Portugal
  3. História das agências noticiosas em Portugal
  4. História do radiojornalismo em Portugal
  5. História do telejornalismo e cinejornalismo em Portugal
  6. História do jornalismo iconográfico em Portugal
  7. História do negócio jornalístico em Portugal
  8. História do jornalismo português no mundo
  9. Fontes para a história do jornalismo em Portugal
  10. O jornalismo português visto do estrangeiro ao longo da história
  11. História do ciberjornalismo em Portugal
  12. O discurso jornalístico português e sobre Portugal ao longo da história

PROGRAMA PROVISÓRIO

(Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas)

3 DE OUTUBRO, 2019

9:00
AUDITÓRIO 1 -TORRE B
Acreditações

10:45-11:30
Abertura da conferência e apresentação do projecto
“Para uma história do jornalismo em Portugal”
Representante da NOVA FCSH
FRANCISCO RUI CÁDIMA, IR do ICNOVA (FCSH.UNL)
JORGE PEDRO SOUSA, IR do projeto “Para uma história do jornalismo em Portugal” (ICNOVA e UFP)
CARLA BAPTISTA, co-IR do projeto “Para uma história do jornalismo em Portugal” (ICNOVA e FCSH.UNL)

11:00-12:30

AUDITÓRIO 1 -TORRE B
CONFERÊNCIA PLENÁRIA I
Christian Delporte
Université de Versailles Saint-Quentin-en-Yvelines – UVSQ
Moderação_
Carlos Camponez
FLUC
(conferência em francês)

12:30-14:30
Intervalo

14:30-16:00
Sessões paralelas

HISTÓRIA DA IMPRENSA (I)
AUDITÓRIO 1 -TORRE B
Moderação_
Maria Inácia Rezola (IHC e ESCS/IPL)
A cobertura das eleições no período revolucionário: procedimentos jornalísticos da imprensa portuguesa num ambiente vincadamente ideológico
Helena Lima (FLUP)
Boletins e jornais operários no pós 25 de Abril: mudanças e perspectivas (1974-1976)
Pamela Peres Cabreira (IHC/NOVA FCSH)
Luta política na imprensa durante o PREC – O caso do Mundo da Canção
João Francisco Vasconcelos e Sousa (ESCS/IPL)
A imprensa em debate na Assembleia Constituinte (1975-1976)
Pedro Marques Gomes (IHC /NOVA FCSH e ESCS-IPL)

HISTÓRIA DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS
SALA MULTIUSOS 1 (EDIFÍCIO I&D)
Moderação_
Maria José Mata (ESCS.IPL e ICNOVA)
Agência Latino-Americana: um contributo para a história das agências de notícias em Portugal
José das Candeias Sales (Universidade Aberta; CHUL) e Susana Mota (CHAM, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa)
O caminho até à primeira agência de notícias de Portugal
Renato Pinto Ferreira (ICNOVA)
1982 – a criação da NP e a não extinção da ANOP Juliana Lisboa (Unisinos): A prática jornalística na Agência Lusa – tradição associada à aposta editorial
Renato Pinto Ferreira (ICNOVA)


PERSPETIVAS TEÓRICAS E METODOLÓGICAS PARA UMA HISTÓRIA DO JORNALISMO
SALA MULTIUSOS 3 (EDIFÍCIO I&D)
Moderação_
Ana Cabrera (IHC-UNL)
A relevância da discussão teórico-epistemológica de factos e fontes como construções
Nuno Bessa Moreira (ULP; CITCEM/FLUP) e Eurico Gomes Dias (ISCSPI; CEPESE)
Para uma nova Epistemologia da História da Imprensa Portuguesa: uma aproximação teórica ao problema
Álvaro Costa de Matos (IHC e ICNOVA/FCSH)
Para uma História da Imprensa Portuguesa: uma abordagem metodológica e teórica
Isadora de Ataíde Fonseca (Centro de Estudos Comparatistas, FLUL)
A interligação entre a História do Tempo Presente e a longa duração para a História do Jornalismo: uma proposta
Nuno Bessa Moreira (ULP; CITCEM/FLUP) e Eurico Gomes Dias (ISCSPI; CEPESE)

O NEGÓCIO JORNALÍSTICO NA HISTÓRIA
SALA 006 (EDIFÍCIO I&D)
Moderação_
Jorge Pedro Sousa (Universidade Fernando Pessoa e ICNOVA)
A publicidade e o desenvolvimento da imprensa de massas em Portugal: os casos dos periódicos Diário de Notícias, O Século e O Primeiro de Janeiro
Pedro Almeida Leitão (CITCEM –FLUP)
No papel e no digital: os casos Diário de Notícias e Público
Suzana Cavaco (Faculdade de Economia da Universidade do Porto)

16:0016:30
Intervalo

16:30-19:00
Sessões paralelas

HISTÓRIA DOS JORNALISTAS
AUDITÓRIO 1 -TORRE B
Moderação_
Carla Rodrigues Cardoso (ULHT)
A Identidade Profissional dos Jornalistas no final do século XIX e início do séc. XX, em Portugal
Clara Michele Brüheim (ICNOVA)
A formação dos jornalistas no último quartel de oitocentos
Ana Teresa Peixinho (Universidade de Coimbra | CEIS20) e Luís Augusto Costa Dias (IHC, NOVA FCSH)
António Ferro, o jornalismo literário e a estética modernista como forma de construção da realidade
Carla Ribeiro (CITCEM – UP e ESE/IPP)
Dos “rapazes da rádio” ao direito à palavra “jornalista”: a formação e a profissionalização dos jornalistas radiofónicos em Portugal
Cláudia Henriques (CECS/UM)

[Intervalo da sessão]

25 de novembro de 1975 – o papel dos jornalistas e os efeitos sobre os meios de comunicação social
Carla Baptista (NOVA FCSH – ICNOVA)
O papel dos jornalistas portugueses na regulação da informação: enquadramento histórico e perspetivas de futuro
João Miranda (CEIS 20/FLUC)
A atribuição de créditos de autoria nas imagens editoriais
Rui Carlos Linhares Bettencourt Coutinho (ESCS/IPL)

16:30–18:30

HISTÓRIA DO RADIOJORNALISMO
SALA MULTIUSOS 1 (EDIFÍCIO I&D)
Moderação_
Helena Lima (Faculdade de Letras da Universidade do Porto)
A rádio segundo o jornalista Álvaro de Andrade
Rogério Santos (Universidade Católica Portuguesa) e Nelson Ribeiro (Universidade Católica Portuguesa)
O nascimento do Serviço de Noticiários do Rádio Clube Português: a criação de um modelo comercial de radiojornalismo
Nelson Ribeiro (Universidade Católica Portuguesa) e Rogério Santos (Universidade Católica Portuguesa)
A rádio de microfone aberto – Contributos para uma história do radiojornalismo das ‘Piratas’ às Locais
Ana Isabel Reis (Universidade do Porto)
O jornalismo nas rádios locais portuguesas: entre o localismo e a alternativa às rádios nacionais
Luís Bonixe (Instituto Politécnico de Portalegre e ICNOVA)
“A rádio que mudou a rádio”: a TSF-Rádio Notícias, o passado e o futuro do radiojornalismo em Portugal
Ana Sofia Paiva (NOVA FCSH) e Ricardo Morais (UBI)

16:30 – 18:30


HISTÓRIA DO JORNALISMO AUDIOVISUAL
SALA MULTIUSOS 3 (EDIFÍCIO I&D)
Moderação_
Eurico Gomes Dias (ISCSPI; CEPESE)
Jornais de actualidades cinematográficas no período do Estado Novo: cinejornalismo ou cinepropaganda?
Jacinto Godinho (NOVA FCSH – ICNOVA)
A informação não diária no prime time da RTP, SIC e TVI: 10 anos de coexistência
Anabela de Sousa Lopes (ESCS/IPL)
Luzes, câmaras, ação! – Novas práticas (e fronteiras) no telejornalismo português
Jorge Manuel Costa (Instituto Politécnico de Castelo Branco)

19:00
Encerramento dos trabalhos do 1.º dia

4 DE OUTUBRO, 2019

08:30
AUDITÓRIO 1 -TORRE B
Acreditações

09:0009:45
AUDITÓRIO 1 -TORRE B
CONFERÊNCIA PLENÁRIA II – JORNALISMO PORTUGUÊS NO MUNDO
com
Alberto Pena Rodríguez, Universidade de Vigo e Universidade de Coimbra 
Um “negócio de poetas”: editores pioneiros do jornalismo português nos Estados Unidos
Antonio Hohlfeldt, PPGCom-FAMECOS-PUCRS
O jornalismo português e espanhol em suas colônias: história comparada e metodologia de análise
Moderação_
Nelson Ribeiro, Universidade Católica Portuguesa

09:4511:15
Sessões paralelas

HISTÓRIA DO JORNALISMO ICONOGRÁFICO (I)
AUDITÓRIO 1 -TORRE B
Moderação_

Jacinto Godinho (NOVA FCSH e ICNOVA)
Apontamentos sobre a génese da cobertura gráfica da atualidade em Portugal: da xilogravura ao fotojornalismo (1835-1914)
Jorge Pedro Sousa (Universidade Fernando Pessoa e ICNOVA)
Iconografia do progresso técnico português em sete revistas ilustradas do Fontismo (1851-1887)
Jorge Pedro Sousa (Universidade Fernando Pessoa e ICNOVA)
A ilustração na imprensa popular portuguesa (1895-1909)
Eduardo Cintra Torres (FCH, UCP)
A iconografia jornalística do poder na alvorada da Ditadura Militar em Portugal
Maria José Mata (ESCS-IPL e ICNOVA)
Para uma história do Século Ilustrado: das fotografias de propaganda às contra-imagens de oposição ao regime
Filomena Serra (NOVA FCSH e IHA) e Israel Guarda (NOVA FCSH, IHA, ISCTE-IUL, CRIA)


HISTÓRIA DA IMPRENSA (II)
SALA MULTIUSOS 1 (EDIFÍCIO I&D)
Moderação_

Anabela de Sousa Lopes (ESCS.IPL e ICNOVA)
Os jornais centenários em Portugal – Um acervo único, candidato a Memória do Mundo/Unesco
Ana Cristina Cruz (Associação Portuguesa de Imprensa) e João Palmeiro (Associação Portuguesa de Imprensa)
1924 e 1927 – Dois momentos perturbadores na vida do Diário de Notícias
Mário Matos e Lemos (CEIS 20 – Universidade de Coimbra)
A imprensa dos revoltosos de 1931
Mário Matos e Lemos (CEIS 20 – Universidade de Coimbra)
A disputa entre os semanários Fradique e Bandarra em 1934-35: suas possíveis causas e consequências
José Guilherme Victorino (Universidade Autónoma de Lisboa)
Um arquivo esquecido – o acervo do armazém do Pendão-Queluz e a sua importância para a história do jornalismo português
João Palmeiro (Associação Portuguesa de Imprensa)

HISTÓRIA DO CIBERJORNALISMO
SALA MULTIUSOS 3 (EDIFÍCIO I&D)
Moderação_

Ana Isabel Reis (Universidade do Porto)
Ciberjornalismo em Portugal: narrativas visuais para nativos digitais
Maria Assunção G. Duarte (NOVA FCSH)
História do ciberjornalismo de proximidade em Portugal
Pedro Jerónimo (Universidade da Beira Interior / LabCom.IFP e CECS)
Blogues de Jornalismo de Viagens em Portugal: uma história
Samanta Souza Fernandes (UFP)
A inscrição no tempo dos perfis online: Haddad e Bolsonaro no Expresso e no Público
Anabela de Sousa Lopes (ESCS-IPL e ICNOVA) e Júlia Leitão de Barros (ESCS-IPL)


11:15
11:30
Intervalo

11:3013:00
Sessões Paralelas

HISTÓRIA DO JORNALISMO ICONOGRÁFICO (II)
AUDITÓRIO 1 -TORRE B
Moderação_
Maria José Mata (ESCS-IPL e ICNOVA)
La prensa de humor en Portugal en el siglo XX: los casos de Sempre Fixe e A Mosca. Paralelismos con La Codorniz y Hermano Lobo en España
Félix Caballero Wangüemert (Universidade de Vigo)
O design editorial na imprensa: do pós-25 de Abril à contemporaneidade
Sónia Rafael (Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa)
Design de Informação e eleições: análise da evolução das infografias dos resultados das eleições legislativas no jornalismo impresso em Portugal
Milton Cappelletti (Universidade de Vigo)
Do pós-25 de Abril à era digital: 45 anos de fotojornalismo português
Fátima Lopes Cardoso (ESCS-IPL e ICNOVA)
A imagem fotográfica no Independente e na K (1988-1992): um estudo exploratório
Maria Filomena Barradas (Instituto Politécnico de Portalegre)


HISTÓRIA DA IMPRENSA (III)
SALA MULTIUSOS 1 (EDIFÍCIO I&D)
Moderação_
Suzana Cavaco (Faculdade de Economia da Universidade do Porto)
Imprensa e constitucionalismo, uma concorrência ou uma dependência?
João Palmeiro (Associação Portuguesa de Imprensa)
O Conciliador do Maranhão: ideias, leitores e interlocutores
Marcelo Cheche Galves (Universidade Estadual do Maranhão)
Diário de Notícias, a successful Portuguese journalism project in an adverse environment
Helena Lima (Faculdade de Letras da Universidade do Porto) e Jorge Pedro Sousa (Universidade Fernando Pessoa e ICNOVA)
O jornal A Voz do Operário aos 140 anos de idade: sobrevivente de uma memória apagada
Luís Carvalho (Universidade Nova de Lisboa)
O Distrito de Portalegre: a produção jornalística no contexto regional e local
Sónia Lamy (Instituto Politécnico de Portalegre, ICNOVA), Adriana Guimarães (Instituto Politécnico de Portalegre), Nuno Fernandes (Instituto Politécnico de Portalegre) e Luís Bonixe (Instituto Politécnico de Portalegre, ICNOVA)


HISTÓRIA DA IMPRENSA (IV)
Sala Multiusos 3 (Edifício I&D)
Moderação_
Alberto Pena Rodríguez (Universidade de Vigo e Universidade de Coimbra)
A imprensa do Porto na Ditadura Militar (1926- 1927)
Joaquim Cardoso Gomes (ICNOVA)
A grande imprensa do Porto e o Estado Novo (1933-1968)
Joaquim Cardoso Gomes (ICNOVA)
O Comércio do Porto Colonial, um jornal de 1934
Maria Manuela Baptista Assunção (CITCEM – FLUP)
O Tribunal de Nuremberga através das páginas do Diário de Noticias
Priscilla Piccolo Neves (CEIS20 – Universidade de Coimbra)

13:4514:30
Intervalo

14:3016:00
Sessões paralelas


HISTÓRIA DA IMPRENSA (V)
AUDITÓRIO 1 -TORRE B
Moderação_
Carla Baptista (NOVA FCSH e ICNOVA)
Censura: ideologia em acção
Gonçalo Pereira Rosa (CECC/UCP): O Portugal-Inglaterra de 1946 e o Vale dos Caídos de 1965: Rupturas excepcionais na censura da imprensa desportiva
Júlia Leitão de Barros (ESCS/IPL)
Ofensa, ultraje, provocação… Os cortes da censura na alvorada do Marcelismo
Maria Inácia Rezola (ESCS-IPL; IHC-UNL)
A história da imprensa portuense: o «Crime da Rua do Sol» e o novo jornalismo dos anos 60
Elsa Costa e Silva (CECS – Universidade do Minho)
O jornalismo português na cobertura das eleições de Humberto Delgado
Ana Cabrera (IHC/UNL)


HISTÓRIA DA IMPRENSA (VI)
SALA MULTIUSOS 1 (EDIFÍCIO I&D)
Moderação_
Jorge Pedro Sousa (UFP e ICNOVA)
Mucho ruido y pocas nueces. La anodina cobertura mediática del viaje de Marcelo Caetano a España
Clara Sanz Hernando (UCLM)
Observador: a newsmagazine da Primavera Marcelista
Carla Rodrigues Cardoso (ULHT)
Bloco histórico em crise: Analisando o Diário de Lisboa – um movimento de contra-hegemonia?
Werbeth Serejo Belo (CEIS20/UC)
O satírico na imprensa das unidades militares durante a guerra colonial
Jair Rattner (ICNOVA)
Colaboração e vigilância entre os regimes: uma análise dos dossiês sobre o jornal Portugal Democrático depositados no Arquivo Nacional do Rio de Janeiro (1971-1974)
Leonardo Leal Chaves (CEIS 20 – Universidade de Coimbra)

O DISCURSO JORNALÍSTICO NA HISTÓRIA (I)
SALA MULTIUSOS 3 (EDIFÍCIO I&D)
Moderação_
Ana Teresa Peixinho (Universidade de Coimbra | CEIS20)
Povo bárbaro? O dizer sobre o brasileiro nos jornais portugueses do século XIX
Giovanna G. Benedetto Flores (Unisul – Universidade do Sul de Santa Catarina)
A representação do antilusitanismo no Brasil a partir da análise de A Matutina Meiapontense (1830-1834)
Alessandra Rodrigues Oliveira Curado (Universidade Federal de Goiás – UFG)
Primeiros esboços do Romantismo literário na imprensa periódica portuguesa (1830-1840)
Eurico Gomes Dias (ICPOL-ISCPSI)
Uma abordagem ao discurso jornalístico- musical atendendo aos públicos-alvo da imprensa eborense (1887-1910)
João Pedro Costa (CESEM – NOVA FCSH)
“O que representa a música para nós como forma de cultura, em que medida a prezamos, como a conseguimos valorizar”: a crítica musical enquanto crítica nacional na imprensa periódica do século XX
Isabel Pina (CESEM/NOVA FCSH)


16:00–16:30
Intervalo

16:30–18:00
Sessões paralelas

 

O DISCURSO JORNALÍSTICO NA HISTÓRIA (II)
AUDITÓRIO 1 -TORRE B
Moderação_
Ana Teresa Peixinho (Universidade de Coimbra | CEIS20)
com
A morte de políticos no Diário de Notícias: para uma análise diacrónica da narrativa jornalística
Inês Fonseca Marques (Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra)
A Revolução Agrária no Alentejo por meio das páginas do Diário de Alentejo (1974/1976)
Monica Piccolo Almeida Chaves (UEMA)
Um Verão Quente no Diário de Notícias: Uma profunda análise do DN durante o Processo Revolucionário em Curso – 1975
Celiana Azevedo (NOVA FCSH e ICNOVA)
É goooooooooooolo! O discurso jornalístico dos jornais desportivos portugueses na ‘hora’ de noticiar os triunfos lusos: o caso da vitória de Portugal no Euro2016
Patrícia Teixeira (ICNOVA) e Inês Aroso (UTAD)

HISTÓRIA DA IMPRENSA (VIII)
SALA MULTIUSOS 1 (EDIFÍCIO I&D)
Moderação_
Nuno Bessa Moreira (ULP/CITCEM/FLUP)
com
A imprensa sobre música em Portugal, de meados do século XIX a 1950
Mariana Calado (CESEM/NOVA FCSH)
Imprensa portuguesa sobre cinema: uma retrospectiva
Jaime Lourenço (CIES/ISCTE-IUL) e Maria João Centeno (ESCS-IPL e ICNOVA)
Contando réis: histórias de jornalismo de dados na imprensa portuguesa do século XIX
Ilo Alexandre (ICNOVA e NOVA FCSH)


HISTÓRIA DA IMPRENSA (VII)
SALA MULTIUSOS 3 (EDIFÍCIO I&D)
Moderação_
Renato Pinto Ferreira (ICNOVA)
com
Quebra de fronteiras: consequências da incorporação de formatos híbridos em media jornalísticos
Cláudia Pereira (FLUC)
A retratação do horror sem imagem alguma: os incêndios de Pedrógão como uma virada de página no jornalismo português
Nilton Marlúcio de Arruda (UFP)
Diário Público e o menino morto na praia: editorial para tornar suportável uma imagem insuportável
Nilton Marlúcio de Arruda (UFP)

CALENDARIZAÇÃO

  • 16 de dezembro de 2018 : publicação da chamada de trabalhos.
  • 31 de março de 2019 : data limite de apresentação dos resumos das propostas (abstracts).
  • 30 de abril de 2019 : notificação de comunicações aceites.
  • 8 de setembro 2019 : entrega dos textos para publicação no livro electrónico.
  • 3 e 4 de outubro 2019 : Conferência Internacional História do Jornalismo em Portugal.

SUBMISSÃO

Línguas do congresso: português, espanhol e inglês.

Normas para a submissão de propostas de comunicação

A submissão de propostas de comunicação, numa das línguas do congresso, deve ser feita para o email historiadojornalismoemportugal@gmail.com, até ao dia 15 de março de 2019. Cada autor poderá apresentar até duas comunicações individuais e, eventualmente, uma terceira, desde que pelo menos uma das comunicações seja em coautoria. É requisito obrigatório que os autores possuam, pelo menos, o grau de mestre ou um currículo profissional ou académico relevante, sendo desejável que possuam o grau de doutor. Preferem-se comunicações inéditas que acrescentem novo conhecimento à história do jornalismo português ou comunicações que apresentem um novo ângulo a um tema já anteriormente abordado.

Normas para a submissão de propostas:

a) Documento Word, extensões doc, docx ou rtf (não se aceitam documentos em Open Office), margens de 2cm (todas).

b) Letra Times New Roman, corpo 12 (toda a proposta), entrelinhado 1,5, justificado, sem reentrância de início de parágrafo, num único parágrafo

c) Incluir, por ordem, os seguintes elementos, com duplo espaço vertical a separá-los:

Título da comunicação proposta
Nome do autor
Instituição a que pertence o autor
Email

[No caso de haver mais do que um autor, repetir a informação relativa a nome, instituição e email, pela mesma ordem.]

Resumo até 300 palavras, fazendo referência ao tema, objetivos, metodologia, resultados e conclusões.

Palavras-chave: até cinco, separadas por ponto e vírgula.

Linha temática [escolher uma das linhas temáticas acima mencionadas, requisito obrigatório].

As propostas serão sujeitas a um processo seletivo. Os autores cujos trabalhos sejam aceites poderão apresentar comunicação na conferência conferência, pagando a respetiva taxa de inscrição (se não estiverem isentos do pagamento). Também poderão enviar os textos completos das suas comunicações, para publicação em livro eletrónico com ISBN, após arbitragem. No caso de comunicações coletivas, pelo menos um dos autores da proposta de comunicação terá de participar no evento. Só serão emitidos certificados de participação e comunicação a investigadores que efetivamente participem na conferência.

Usar este template para a submissão de propostas de comunicação

Template para a submissão de propostas de comunicação conferência internacional história do jornalismo em Portugal

Normas para o envio do texto completo (numa das línguas oficiais do congresso) para o livro eletrónico:

A submissão dos artigos referentes às comunicações, para o livro eletrónico que vier a resultar da conferência, deverá ser feita para o email historiadojornalismoemportugal@gmail.com, até ao dia 8 de setembro de 2019.

a) Documento Word, extensões doc, docx ou rtf (não se aceitam documentos em Open Office

b) Letra Times New Roman, corpo 12 (toda a proposta), entrelinhado 1,5, justificado, sem reentrância de início de parágrafo, sem separação vertical entre parágrafos, exceto tratando-se de citações.

c) Incluir, por ordem, os seguintes elementos, com duplo espaço vertical a separá-los:

Título do artigo (que deverá ser idêntico ao da comunicação admitida na conferência)
Nome do autor
Instituição a que pertence o autor
Email

[No caso de haver mais do que um autor, repetir a informação relativa a nome, instituição e email, pela mesma ordem.]

Resumo até 300 palavras, fazendo referência ao tema, objetivos, metodologia, resultados e conclusões.

Palavras-chave: até cinco, separadas por ponto e vírgula.

d) O artigo deve incluir as seguintes secções:

  1. Introdução (delimitação do objeto/problema científico a resolver, referência a objetivos, eventuais hipóteses e perguntas de investigação)
  2. Marco teórico e estado da questão
  3. Metodologia
  4. Resultados e discussão (esta secção poderá, alternativamente, ser dividida em vários capítulos com título e numeração própria)
  5. Conclusões
  6. Referências bibliográficas

Nota: do início da introdução ao final das conclusões o artigo deve ter entre 4000 (mínimo) e 7000 (máximo) palavras. Título, autores e filiação, resumo, palavras-chave e referências bibliográficas não contam para o total de palavras.

e) Outras normas de estilo para os artigos:

  1. Notas de rodapé no final de cada página e não no final do texto. As notas de rodapé devem ser grafadas em fonte Times New Roman, corpo 10, entrelinhado a um espaço, texto justificado.
  2. Citações diretas devem ser incluídas no texto, entre aspas (sem itálico), em formato Harvard: (Sousa, 2016: 117-123).
  3. Se a citação direta tiver mais do que 40 palavras, deve ser incluída em parágrafo à parte, com dupla separação vertical do parágrafo antecedente e do parágrafo posterior, mas mantendo o entrelinhado 1,5. Não usar aspas nem aplicar reentrância/avanço de parágrafo. Usar, no final, a referência em formato Harvard: (Sousa, 2016: 215).
  4. Citações parafraseadas devem ser referenciadas, igualmente, no formato Harvard: (Sousa, 2016: 30).
  5. As referências bibliográficas deverão ser listadas por ordem alfabética e seguir o padrão APA, conforme os seguintes exemplos:

Delicato, M. O. Revoluções no fotojornalismo: o caso do jornal “O Comércio do Porto”. Tese de doutoramento apresentada à Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Fernando Pessoa. [Online]. Consultada a 28 de novembro de 2018. Disponível em: https://bdigital.ufp.pt/handle/10284/4543

Lima, H. & Sousa, J. P. (2017). O Espelho: Infopropaganda britânica para Portugal e para o Brasil durante a I Guerra Mundial. Revista Famecos, 24 (1), 20-35. [http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/24332]

Pena Álvarez, P. (2014). Las redes sociales como factor diferencial en el periodismo asiático. In: S. Direito (Coord.), De los medios a los metamedios (104-163). Santiago: Iacobus.

Rodríguez Freire, J. (2001). El conflicto de los derechos audiovisuales en las retransmisiones deportivas en radio. El caso de la Liga de Fútbol Profesional. Vigo: Universidad de Vigo.

Sousa, J. P. (2007). O dia depois: A reação da imprensa portuguesa ao atentado de 11 de Março de 2004 em Madrid. [Online]. Consultado a 15 de novembro de 2018. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/sousa-jorge-pedro-dia-depois.pdf

Tabelas, fotografias, gráficos e similares devem ser numerados, inseridos no local do texto onde deverão figurar, EM FORMATO JPG (e     apenas JPG), com título na parte superior, centrado, e indicação da fonte na parte inferior, centrada, mantendo a letra Times New Roman, 12. Os dados deverão ser grafados de maneira a serem legíveis, não sendo desejável o emprego de letra com corpo inferior a 10, conforme os exemplos abaixo. No caso de imagens com direitos de autor, os autores dos artigos são responsáveis pela obtenção prévia de autorização para a sua inclusão no texto, declinando os organizadores do livro de atas ou a entidade que o editar qualquer responsabilidade neste âmbito.

Usar este template para a submissão de textos finais para livro eletrónico

Template para os artigos conferência internacional história do jornalismo em Portugal

INSCRIÇÕES

Inscrições abertas até 8 de setembro de 2019.

Taxa de inscrição para desempregados, bolseiros e estudantes de qualquer grau de ensino: 20 euros.

Taxa de inscrição para outros participantes: 30 euros.

Isentos do pagamento de taxa de inscrição: convidados, investigadores do projeto “Para uma história do jornalismo em Portugal”, investigadores do ICNOVA.

A assistência livre à conferência (sem apresentação de comunicação e sem direito a documentação e certificado) não obriga a inscrição prévia nem ao pagamento de qualquer taxa de inscrição.

Formalização da inscrição e pagamento da respetiva taxa

O pagamento da taxa de inscrição faz-se exclusivamente por transferência bancária:

IBAN: PT50 0781 0112 0000 0006 3998 0

Banco: Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP, E.P.E.

Nome do titular: Universidade Nova de Lisboa-Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

Investigadores residentes fora de Portugal poderão liquidar a taxa de inscrição no local do evento, durante a conferência, mas devem proceder, previamente, à formalização da inscrição e comprometerem-se a comparecer à conferência. Só serão entregues certificados de participação e de apresentação de comunicação a participantes presentes na conferência.

Para inscrição no evento, enviar email para icnova@fcsh.unl.pt e para historiadojornalismoemportugal@gmail (ou seja, para os dois endereços eletrónicos em simultâneo) formalizando a inscrição na conferência e indicando instituição, contactos e título(s) da(s) proposta(s) de comunicação. Anexar o comprovativo (jpeg ou pdf) do pagamento da taxa de inscrição.

No caso de desejar recibo em nome individual, indicar NIF.

No caso de desejar recibo em nome de outra entidade, indicar:

– Denominação da entidade

– Endereço da entidade

– NIF da entidade

COMISSÕES

COMISSÃO CIENTÍFICA

Alberto Pena Rodríguez
Universidade de Vigo

Ana Cabrera
NOVA FCSH e IHC

Ana Isabel Reis
FLUP

Ana Teresa Peixinho
FLUC

Anabela de Sousa Lopes 
ESCS.IPL e ICNOVA

Carla Baptista 
NOVA FCSH e ICNOVA

Carla Rodrigues Cardoso
Universidade Lusófona

Carlos Camponez 
FLUC

Eurico Dias
ISP

Helena Lima
FLUP

Co

Jacinto Godinho
NOVA FCSH e ICNOVA

Jorge Pedro Sousa
UFP e ICNOVA

Maria Inácia Rezola
NOVA FCSH e IHC

Maria José Mata
ESCS.IPL e ICNOVA

Nelson Ribeiro
UCP

Nuno Bessa Moreira
FLUP

Paulo Faustino
FLUP

Renato Pinto Ferreira
ICNOVA

Rogério Santos
UCP

Suzana Cavaco
FEP

COMISSÃO ORGANIZADORA

Carla Baptista
NOVA FCSH e ICNOVA

Jorge Pedro Sousa
UFP e ICNOVA

Natália Honório Manso
ICNOVA  – BGCT

Patrícia Contreiras
ICNOVA – BGCT

Renato Ferreira
ICNOVA

CONTACTOS

historiadojornalismoemportugal@gmail.com
icnova@fcsh.unl.pt
Telefone (ICNOVA): + 351 21 364 20 13

Organização:

ICNOVA – Instituto de Comunicação da Nova
Projeto Para uma história do jornalismo em Portugal (PTDC/COM-JOR/28144/2017)

Apoios: FCT, NOVA FCSH, RP